Você está aqui
Início > NOTÍCIAS > GERAL > Revogada lei de SC que restringia para um ano prazo para aplicar suspensão da CNH

Revogada lei de SC que restringia para um ano prazo para aplicar suspensão da CNH

Foi revogada a Lei Estadual n. 17.403/2017, que restringia para um ano o prazo para aplicação de penalidades de trânsito com suspensão da CNH (Carteira Nacional de Habilitação).
A legislação foi julgada inconstitucional pelo TJ-SC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina), após ADI (ação direta de inconstitucionalidade) do MP-SC (Ministério Público de Santa Catarina). A decisão foi publicada no Diário Oficial dessa quarta-feira (17).

A lei determinava que, para a aplicação da suspensão do direito de dirigir, o processo administrativo deveria ser instaurado no mesmo ano em que ocorria a notificação da penalidade. Quando o processo não era aberto no período, as punições eram arquivadas.
Conforme a publicação, foi reconhecida com efeitos “ex tunc” a inconstitucionalidade da lei. Ou seja, os efeitos da legislação não serão mais aplicados já a partir da decisão.
Durante a vigência da lei, motoristas infratores podem ter sido beneficiados ilegalmente e deixaram de cumprir a penalidade aplicada em casos graves, e provavelmente inocentados pela demora administrativa do Detran-SC.

A ação
O MP-SC detalhou que a ação foi ajuizada após uma representação do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), vinculado ao Ministério das Cidades. A Procuradoria-Geral, então, determinou a elaboração de estudo para avaliar a regularidade da lei estadual.
O estudo apontou transgressão do art. 22, XI, da Constituição da República, que determina que apenas a União tem competência para legislar sobre trânsito e transporte.

some text

Ainda conforme o MP-SC, a lei estadual reduzia o prazo previsto na legislação federal para que o Detran-SC aplicasse a penalidade de suspensão do direito de dirigir aos motoristas infratores.
Isso porque a lei estadual determinava que o processo administrativo deveria ser instaurado no mesmo exercício civil em que ocorresse a notificação da imposição da penalidade, sob pena de arquivamento do caso.

Assim, caso o infrator fosse notificado sobre a imposição da penalidade, por exemplo, no dia 15 de novembro, haveria pouco mais de um mês para que a autoridade de trânsito promovesse o processo administrativo para aplicação dessa penalidade.
O Ministério Público sustentou que tal regulamentação, além de invadir a competência da União, ia em sentido oposto à Deliberação n. 163 do Conselho Nacional de Trânsito – a quem o Código de Trânsito Brasileiro atribuiu a função administrativa de regulamentação das normas de trânsito nacionais -, que estabeleceu o prazo prescricional de cinco anos para aplicação da penalidade de trânsito.
Assim, um motorista infrator em Santa Catarina em condições idênticas a um infrator do estado de São Paulo, por exemplo, poderia não sofrer a penalidade de suspensão do direito de dirigir apenas em razão da redução do prazo pela legislação estadual, o que não é admitido pela Constituição.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top