Você está aqui
Início > NOTÍCIAS > Ex-deputado João Pizzolatti vai a júri popular, decide Justiça

Ex-deputado João Pizzolatti vai a júri popular, decide Justiça

Vara Criminal também mandou que ele permaneça preso.

O ex-deputado federal de Santa Catarina João Alberto Pizzolatti vai a júri popular, decidiu nesta quinta-feira (3) a 1ª Vara Criminal de Blumenau, no Vale do Itajaí. A Justiça também determinou que ele permaneça preso. Pizzolatti é réu por tentativa de homicídio, referente a um acidente de trânsito em dezembro de 2017.

A defesa do ex-deputado informou que vai recorrer. Ainda não há data para o júri ocorrer.

Em dezembro de 2017, o carro dirigido por Pizzolatti invadiu a pista contrária na SC-421 em Blumenau e atingiu dois automóveis. Na época, ele admitiu que estava bêbado. Um homem ficou gravemente ferido e precisou fazer 11 cirurgias, após ter sofrido fraturas e queimaduras de segundo e terceiro graus. Testemunhas relataram que o ex-deputado transitava em zigue-zague pela pista antes da colisão.

“Há indicativo de que o acusado conduzia seu veículo automotor em rodovia com considerável movimentação de pessoas (pedestres, ciclistas, motociclistas e condutores de automóvel), com sua capacidade psicomotora substancialmente alterada, causando perigo para outras pessoas”, escreveu o juiz Juliano Rafael Bogo na decisão.

Prisão
João Pizzolatti foi preso preventivamente por volta das 15h30 de 17 de maio em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos em São José, na Grande Florianópolis. O ex-parlamentar é auditor fiscal na Secretaria de Estado da Fazenda.

Ele teve a prisão decretada em 8 de maio por ter descumprido uma medida cautelar ao ser flagrado dirigindo em 29 de abril mesmo com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa. Antes de ser preso, ele chegou a ser considerado foragido.

Mesmo depois de ter a carteira suspensa, o veículo de Pizzolatti foi flagrado circulando em Timbó, no Vale do Itajaí. No ano passado, as multas do ex-deputado somaram 29 pontos, mais do que o limite permitido. Uma delas foi por dirigir falando ao celular e as outras cinco por estar acima da velocidade.

Fonte: G1SC
Foto: Paulo Mueller/NSC TV

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top